13 agosto 2006

Atual Projeto de Pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA


PROJETO DE PESQUISA


TEATRO DAS MEMÓRIAS SOCIAIS
E DO PATRIMÔNIO BIO-CULTURAL:
Pesquisa Antropológica na Região Metropolitana de São Luís.


Pesquisador:
Professor Dr. Alexandre Fernandes Corrêa
Adjunto Antropologia IV – Matrícula 6324-0


São Luís
2006

RESUMO

(Apresentação) O presente projeto de pesquisa científica tem como objeto as políticas do patrimônio bio-cultural, implementadas nos museus e centros culturais na ilha de São Luís. Tomando como pano de fundo a dinâmica etno-histórica das identidades culturais regionais da ilha de São Luís, almejamos investigar as particularidades regionais do processo de preservação e transformação da natureza e da cultura locais, na atualidade. Nesse trajeto focalizamos especialmente os chamados novos patrimônios, objetos de ação preservacionista mais recente, na cena das políticas culturais e ambientais.
(Fundamentação Teórica) A proposta parte de idéias e hipóteses desenvolvidas no trabalho de pesquisa para doutorado em Ciências Sociais: Antropologia (PUC/SP: 1997-2001); no trabalho de pesquisa para pós-doutoramento em Antropologia (UFRJ-2005); além da pesquisa científica realizada junto ao Departamento de Sociologia e Antropologia (UFMA-2001/2004), intitulada Políticas do Patrimônio e da Memória Social em São Luís. As referências teóricas mais diretas são os trabalhos de Henri-Pierre Jeudy (1990): sobre a etnologia do patrimônio e o teatro das memórias sociais; e, também, a teoria dos semióforos desenvolvida por K. Pomian. No ponto vinculado a teoria do Museu, concebidos enquanto locais de dramatização do social, fazemos referência aos trabalhos de Jean Duvignaud (1983) e Patrice Pavis (2003). Com essas ferramentas teóricas procuramos analisar a produção de estratégias de gerenciamento e institucionalização do significado socio-cultural dos conceitos de patrimônio, museu e centro cultural nessa região do país. O conceito de patrimônio, especialmente, é tomado na pesquisa como um significante estruturante da ordem simbólica dominante. A análise das políticas do patrimônio e de musealização, nessa perspectiva, nos revelará os dispositivos e as metamorfoses do sentido do etnográfico, do folclórico e da cultura popular no imaginário dos agentes culturais e da população em geral.
(Justificativa) Devido a persistência recorrente, na ideologia oficial, da restrição do conceito de patrimônio local à idéia de prédio arquitetônico, buscamos compreender as causas desta redução conceitual. Tomamos como base empírica para a pesquisa de campo as diferentes visões sobre o que é e o que não é patrimônio, numa verdadeira dialética das identidades culturais regionais. O interesse principal é de tentar compreender a dinâmica patrimonial e museológica local, principalmente a partir da inscrição da cidade de São Luís na Lista dos Tombamentos com Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO em 1997.
(Objetivos) Pretende-se analisar as transformações recentes ocorridas no plano da construção de uma imagem das identidades culturais regionais (p.ex., pela a ação cada vez mais determinante da indústria turística), que se expressam nas políticas governamentais municipais e estaduais direcionadas para a região metropolitana, recentemente regulamentada por lei, em 2003. Nesse panorama, o enfoque recai sobre a espetacularização, cada vez mais crescente, dos bens e acervos etnográficos, bio-culturais e folclóricos.
(Método) A partir da antropologia regional urbana investigamos as práticas de conservação, preservação e promoção dos bens e acervos bio-culturais efetuadas pelos agentes de cultura na ilha de São Luís. Para tal, nos baseamos em alguns princípios da antropologia urbana contemporânea; especialmente da antropologia do olhar, através de uma abordagem intercultural. Como o foco da investigação se direciona para políticas culturais voltadas para as práticas de museologização elaboradas junto ao agenciamento simbólico dos bens e acervos populares; os locais privilegiados para se compreender essa dinâmica serão os Centros Culturais, Casas de Cultura, Centros da Memória e os mais diferentes Museus e Monumentos do Estado do Maranhão. Os Museus e os Centros de Cultura serão tomados como locais de encenação e dramatização do gerenciamento político do teatro das memórias socais e naturais – lugares da memória e do patrimônio privilegiados, nos quais se efetuará a pesquisa de campo.

Sem comentários: