13 agosto 2006

Palácio da Polícia Civil do Rio de Janeiro

Rua da Relação n. 42 (Continuação da Av. República do Chile, na direção da Rua Henrique Valadares).

Sede Original da 1ª à 4ª Delegacia da Polícia Civil do Distrito Federal (1912). Prédio Tombado. Nos anos da Ditadura Militar de 1960-70, foi sede do tenebroso DOPS. Hoje hospeda os Arquivos da instituição e o Museu da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro.

Como se pode observar, através destas figuras ilustrativas, reproduz-se imagens do prédio no início do século XX; auge do positivismo triunfante. Reflete, com sua arquitetura simulada da ‘belle époque’ francesa, as pretensões modernizadoras no país recém chegado ao rol das repúblicas ocidentais. Nesse cenário de promessas racionalizadoras e cientificistas este edifício acabou por tornar-se, desafortunadamente, o local onde aconteceram os fatos mais atrozes da história político-militar moderna brasileira.


Nesse prédio funcionou, em plena ditatura civil-militar dos anos 1960-70, o antigo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS). A memória que ali ainda está encoberta aglutina e preserva agonias que aguardam a revelação oportuna de seus segredos . Esse tempo ainda não chegou, como se pode observar nas atitudes de diversas autoridades, tanto policiais como patrimoniais. Muito poderia ser dito sobre os comportamentos idiossincráticos que diferentes personalidades ainda mantêm em relação a este complexo sócio-cultural patrimonializado no final da década de 1930.

Livro Museu Mefistofélico. Alexandre Fernandes Corrêa, 2009.

Sem comentários: