03 fevereiro 2007

Gentrificação / Gentrificado: Contradições da Patrimonialização


Fotojornalismo

'Fotogarrafa': olhar, reportar, publicar:

Gentrificado. Digital, Marcelo Min/Agência Fotogarrafa, Gentrificação, 2006/0207, Largo da Batata - Gentrificação.

Gentrificado - Gentrificação:
"Processo de restauração e/ou melhoria de propriedade urbana deteriorada realizado pela classe média ou emergente. Geralmente resultando na remoção de população de baixa renda".


DIREITO A CIDADE: O Futuro das Cidades e a Luta por Espaço
Trechos do texto de Jean-Pierre Garnier. Le Monde Diplomatique Brasil - Março de 2010.

A chegada, aos bairros operários, de grupos sociais pertencentes às classes de maior poder aquisitivo é vista, com frequência, como uma invação. Para a maior parte dos moradores afetados, essa mudança significa especulação financeira e imobiliária, o que acelera sua expulsão e substituição por moradores mais abastados.

A moda 'patrimonialista'.

Não se trata mais de fazer do espaço urbano tabula rasa como na época da 'renovação-escavadeira', quando pedaços - ou bairro inteiros - da cidade eram considerados 'insalubres' e derrubados para 'liberar terrenos' propícios ao florescimento de imóveis de 'categoria' com finas residenciais ou comerciais. As ruas tortuosas e estreitas, herdadas ao longo dos séculos também foram submetidas ao mesmo processo, dando luagar a 'anéis viários' e 'radiais' para adaptar a cidade ao automóvel. Atualmente, a palavra de ordem não é 'destruição' - salvo um ou outro edifício 'irrecuperável' -, e sim 'reabilitação', 'regeneração', 'revitalização' ou ainda 'renascimento' (em São Luís usa-se o termo 'reviver'). Em voga entre aqueles que ocupam cargos ligados à manutenção e à reorganização das cidades, essa terminologia visa sobretudo dissimular uma lógica de classe: reservaros espaços 'requalificados' às pessoas de 'qualidade'. "Todos esses termos que começam por 're' são a priori positivos para a cidade, mas excluem completamente a questão social", nota um geógrafo belga. "Quando um bairro torna-se descolado e entra na moda, isso implica que parte dos moradores será 'descartada'. A região 'melhora', mas não para as mesmas pessoas". Dito de outra forma, se há 'reforma urbana', ela visa antes 'renovar' a população local para que os moradores das zonas centrais dos grandes conglomerados urbanos possam exercer sua vocação: se impor como habitantes de 'metrópoles' dinâmicas e atrativas.

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

Ainda que efetuada progressivamente, a chegada de grupos sociais pertencentes às classes assalariadas de maior poder aquisitivo e profissionais liberais em bairros operários é vista, com frequência, como invasão pelos habitantes originais. Para a maior parte dos moradores afetados, essa mudança significa especulação financeira e imobiliária, o que acelera sua expulsão e substituição no espaço por citadinos mais abastados e educados, desejosos de constituir uma identidade residencial que esteja de acordo com a identidade social.

Gentrificação

A 'gentrificação' não atinge somente o espaço construido: afeta também o espaço político e, em particular, a natureza dos partidos políticos.

Jean-Pierre Garnier. Autor de Une Violence Éminemment Contemporaine: essais sur la ville, la petit bourgeoiese intellectuelle et l'éffacemente des classes populaires. Agone, Marselha, 2010.