14 fevereiro 2007

XXIV ANPUH - DANTE MILANO E O MUSEU MEFISTOFÉLICO

15 A 20 JULHO DE 2007
UNISINOS
SÃO LEOPOLDO - RS


Simpósios Temáticos
Título:Territorialidades da memória: espaços, identidades e conflitos sociais

Descrição:
O presente Simpósio pretende discutir os processos de construção e reconstrução da memória social, numa perspectiva interdisciplinar, refletindo sobre as estratégias de apropriação e usos do espaço, tanto físico como social, e seus reflexos na afirmação da identidade de grupos, gêneros, comunidades, etnias.
Nesse sentido, estarão em tela as relações de poder e resistência geradoras de conflitos sociais diversos, por exemplo, no âmbito da cultura e do trabalho. A reflexão acerca dos conflitos sociais, em seus níveis macro e micro, tem na análise da construção e reconstrução da memória social e da identidade um suporte extremamente valioso. No engendramento e desenrolar de tais conflitos, tanto memória quanto identidade desempenham um papel que pode ser considerado central. Elas são, a um só tempo, local de controle e resistência, palco de práticas de homogeneização e lugar de afirmação de diferença.
Pode-se dizer que não há memória sem disputa, nem conflito que não produza memórias e identidades. Muito menos se pode falar de identidade(s) sem referência a algum tipo de memória e conflito. Desta forma, pensar as formas de elaboração da memória e dos processos identitários é lançar luz, de uma perspectiva particular, sobre o conflito social, seus discursos e suas práticas, construídos social e historicamente. Assim, memória e identidade estão vinculadas e associadas em sua construção, no sentido em que a memória pode costurar rupturas temporais e espaciais, servindo também como resistência à alteridade.
Ao longo dos últimos anos temos, em âmbito regional da ANPUH, mantido este tipo de reflexão e debate. Tal abordagem do passado se mostra justificada numa época em que se evidenciam processos de desterritorialização que redesenham o perfil das cidades e afetam as concepções de pertencimento, alteridade e identidade. As metamorfoses espaço-temporais, encurtando distâncias e acelerando o tempo, produzem sintomas de desenraizamento que vêm afastando sistematicamente enormes contingentes humanos, por exemplo, da terra, do trabalho e das formações identitárias, certamente híbridas e que, em momentos de crise, se voltam para narrativas de gênese buscando elaborar seus novos processos de territorialização.

Proposta de Trabalho:
O MUSEU MEFISTOFÉLICO: Dante Milano e o imaginário do mal na literatura do início do século XX - a criação da Coleção Museu de Magia Negra.

Autor: Alexandre Fernandes Corrêa
Doutor em Ciências Sociais: Antropologia – PUC/SP
Pós-Doutorado: Antropologia – IFCS/RJ/CNPq
Professor Adjunto Antropologia – UFMA. E.mail: alexcorrea@antropologia.com.br

Resumo
Este artigo analisa aspectos históricos e biográficos vinculados ao tombamento da Coleção Museu de Magia Negra do Museu da Polícia Civil do Rio de Janeiro em 1938, destacando especialmente a obra do poeta modernista Dante Milano. Trata-se de uma reflexão sobre o estatuto museológico da magia, bruxaria e feitiçaria no pensamento social brasileiro do início do século XX.

Palavras-chave
Patrimônio Cultural. Museologia. Literatura. Memória Social

Abstract
This paper analyzes historical and biographical aspects connected to the cultural inherance.of the Black Magic Collection Museum of the Rio de Janeiro in the Brazilian cultural patrimony in 1938. It focuses the poetics works of the Dante Milano, especially. It deals with a reflection about the museologic statute of the black magic and witchcraft in the Brazilian social thought in the last century.

Keys-words
Cultural Inherance. Museology. Literature. Social Memory

Sem comentários: