17 março 2007

Convite - Palestra "Ação Cultural è Uma Lagarta"



"Ação Cultural é Uma Lagarta: a metamorfose cultural"

Palestrante: Alexandre Fernandes Corrêa - Antropologia (UFMA)
Local: Museu Histórico e Artístico
Rua do Sol, n. 302. Centro, São Luís/MA.
Horário: 14:30hs.

Roteiro da Palestra.

1. BRASIL: PAÍS SEM MEMÓRIA?

Dificuldade de lidar com a memória no contexto contemporâneo;
A importância dos estudos da memória na sua relação com a rede de significados e a dimensão da ação dos atores sociais;
Brasil – Não tem uma tradição coletiva, uma transmissão ininterrupta de valores, um conjunto de bens culturais coeso, com uma memória coletiva cristalizada – Memórias Subterrâneas Plurais;
Brasil – País do Futuro – País do esquecimento das origens pessoais, dos grupos, etc.
País da Promessa – Esquecer para tornar-se brasileiro.

2. BRASIL: País do Teatro das Memórias Sociais Plurais

O caminho para uma multiplicidade de definições de memória;
Não há uma única memória cultural e coletiva;
Há pluralidade de ‘memórias’ – a acentuação do especial e único tem um papel importante;
Superar a dificuldade de lidar com a memória social traumática no país;
A Memória social brasileira não é um mar de “rosas”.

3. Brasil: País do Presente e dos Contrastes

Perspectiva interdisciplinar e transcultural das relações entre memória e esquecimento na sociedade brasileira;
Brasil – País do aqui e agora – apaixonado pelo que vem pela frente, pelo prazer e pela alegria de viver;
A Memória social brasileira é traumática, violenta, repleta de histórias de espoliações, escravidão, etnocídios, genocídios, etc.

4. TEATRO DAS MEMÓRIAS: Viver sob o Sol da Diversidade

Sociedade Humana: Vida Social = Teatro e Drama; a Sociedade como um Teatro Vivo;
Cada personagem-indivíduo-pessoa-sujeito-grupo é ator e desempenha papéis sociais;
A Vida social, como um Drama social, é repleta de histórias, dramas, etc.;
A Vida social, como o teatro da vida, tem comédias e tragédias;
O cotidiano da vida é a representação dramática de nossas biografias – Histórias de Vida.

5. Sociedade – Teatro Vivo

Nossas vidas se movimentam sob o impacto de duas forças poderosas: a do passado e a do futuro.
O presente é o resultado da ação conflituosa, ou harmônica, entre duas forças: do passado e do futuro.
Atual Transformação Técno-Sócio-Cultural Acelerada.

6. MUSEUS - ECOMUSEUS, CASAS E CENTROS DE CULTURA

Locais de Dramatização (Encenação) das Mudanças na Vida Social Moderna

TEATRO DAS MEMÓRIAS: São Tomás de Aquino – “O Sensível é o veículo natural do Inteligível”.

A palavra “TEATRO” – privilegia a visualidade – conserva uma vinculação etimológica à família do verbo grego theáomai, “ver”.
Os Museus são Teatros da Memória.
As matrizes sensoriais (ver, ouvir, tocar, sentir, etc) facilitam a rememoração. Espaços de Dramatização da Memória. Ex: Igreja Barroca.
Impacto pedagógico através da seleção mental, ordenamento, registro, interpretação e síntese cognitiva na apresentação visual.

Exposição, Pesquisa e Produção de Conhecimento: Laboratório da História Social

Existe uma gama multiforme de possibilidades para os Museus, recusando-se um modelo único.
Os Museus, de qualquer natureza, devem buscar contemplar e trazer uma contribuição específica, e insubstituível, para a produção de conhecimento.
Combater a Museomania Convencional – com Museus-Teatros Vivos da Transformação sócio-cultural Histórica.

7. Projetos de Ação Cultural: Extensão Universitária – UFMA

No Teatro das Memórias o processo de gestão democrática da cultura, do patrimônio, da identidade e do sentimento de pertencimento pode se dar através da realização de laboratórios e oficinas;
Laboratórios e Oficinas: Artesanato, Cinema, Teatro, Fotografia, Arquitetura, Cenografia, Música, Manifestações Culturais, etc.
As Comunidades decidem suas prioridades: Vila Maranhão, Anjo da Guarda, Desterro, etc.

Museu Histórico e Artístico do Maranhão: Teatro dos Costumes de uma Época

Construído em 1836, para servir de residência à família Gomes de Souza, foi utilizado por Arthur e Aluízio Azevedo, quando jovens, para leituras e ensaio de seus trabalhos, no teatro anexo a casa. Atualmente é a sede do Museu Histórico e Artístico do Maranhão, cujo acervo é organizado de modo a reproduzir os costumes da época. Possui um pequeno teatro e galeria de arte.

8. Nosso Lema: “Apressar a Muda da Lagarta” - A Metamorfose Cultural

Como lembrava Paul Valery: “a maioria das sementes não tem futuro”;
A ação cultural pretende ativar 3 esferas do vida do indivíduo e do grupo:
1. Imaginação: a consciência reflete sobre si mesma, inventa a si mesma, se abre para as possibilidades, libertando-se do ser e do dever ser para aceitar o desafio do poder ser;
2. Ação: o sujeito penetra no tempo presente e viabiliza o que sua imaginação pré-sentiu – ligando-se ao processo cultural concreto;
3. Reflexão: permitir fazer a si mesmo uma proposta de continuidade de si próprio, de sua consciência e de sua ação, numa integração com o passado capaz de permitir o exercício teórico, i.é, a previsão do futuro, a predeterminação do futuro;
Neste instante, o círculo se fecha e a imaginação é de novo ativada.

9. A Ação Cultural é uma Lagarta

Sua visão só é possível quando se antecipa a imagem nova, transfigurada e multicolorida que dela vai surgir.
Mas, Cuidado: Se o trabalho de metamorfose demorar muito, vem a vontade incontrolável de esmagar aquele bicho repelente, com tudo que possa abrigar de promissor em seu corpo MUTANTE!

Bibliografia Básica

COELHO, Teixeira. Usos da cultura. São Paulo: Paz e Terra. 1986
___. O que é ação cultural? São Paulo: Brasiliense. 1989
___. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo: Iluminuras. 1999
CORRÊA, Alexandre F. Vilas, parques, bairros e terreiros (Patrimônios Bioculturais): novos patrimônios na cena das políticas culturais de São Luís e São Paulo. São Luís: EDUFMA. 2003
___. O paradigma preservacionista na berlinda. Ciências Humanas em Revista. São Luís. V. 1. N.2. p.37-44. Dez. 2003.
___. Barroco: conceito em perspectiva. Ciências Humanas em Revista. São Luís. V. 2. N.1. p.153-163. Jul. 2004.
___. Patrimônios, museus e subjetividades. Ciências Humanas em Revista. São Luís. V. 2. N.2. p.123-132. Dez. 2004.
___. Cultura e democracia no Maranhão: o fechamento do Conselho de Cultura do Maranhão. Caderno Pós Ciências Sociais. São Luís. V. 1. N. 1. p. 103-108. Mar/Jul. 2004
___. Patrimônios bioculturais na hipermodernidade. Caderno Pós Ciências Sociais. São Luís. V. 1. N.2. p. 29-42. Ago/Dez. 2004.
___. Projeto de pesquisa: teatro das memórias e do patrimônio bio-cultural: pesquisa antropológica na região metropolitana de São Luís. UFMA. Departamento de Sociologia e Antropologia. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. São Luís. 2006.
___. Coleção museu de magia negra do Rio de Janeiro: significado cultural do primeiro patrimônio etnográfico do Brasil. Trabalho de Pesquisa Pós-Doutorado. Rio de Janeiro. IFCS/UFRJ. Março. 2006
___. Teatro do Patrimônio Cultural e das Memórias Sociais: a educação patrimonial em perspectiva. In, LIMA FILHO (Org.) Os Caminhos do Patrimônio no Brasil. Goiás: Alternativa, 2006.

São Luís - 2007