20 maio 2009

PESQUISA DE PÓS-DOC UERJ/UFMA


PROJETO DE PESQUISA –
ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

Título do trabalho:

“DANTE MILANO: O MODERNISTA MARGINAL”:
Antropologia da Literatura e do Imaginário do Mal nas primeiras décadas do século XX.


Supervisão:
Profa. Dra. Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros (DECS/UERJ)

Data de início: 01/08/2009

1. IDENTIFICAÇÃO
Pesquisador: Alexandre Fernandes Corrêa – Professor Associado I de Antropologia Departamento de Sociologia e Antropologia da UFMA.
Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/2963281229506007
E-mail: alexandre.correa@pq.cnpq.br; alex@ufma.br

2. TEMA

2.1 Tema da pesquisa: Estudo sobre a produção literária de Dante Milano e as representações do mal no imaginário social e cultural nas primeiras d´pecadas do século XX. Pesquisa cujo enfoque se direciona para a Antropologia, a Literatura e os Estudos Culturais. Em suma, trata-se de uma pesquisa sobre o Modernismo Carioca e o Imaginário do Mal nas primeiras décadas do século XX.

2.2 Delimitação do tema: Estudo sobre a obra e a vida do poeta modernista carioca Dante Milano, aprofundando a pesquisa já realizada sobre a Coleção de Magia Negra (Corrêa, 2006), tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1938. O foco central agora são as correspondências que o poeta trocava com seus colegas modernistas, nos encontros no Bairro da Lapa no Rio de Janeiro. O objetivo principal é compreender as representações do mal no imaginário artístico no período modernista, nas primeiras décadas do século XX.

2.3 Formulação do problema: No ano de 2005, esse autor pesquisou a Coleção de Magia Negra, inscrita como patrimônio etnográfico brasileiro, na lista de tombamentos do IPHAN. Nessa pesquisa descobriu-se que o primeiro diretor do Museu da Polícia Civil, em que se guardava a referida coleção de Magia Negra, foi o poeta carioca ‘modernista’, Dante Milano. Essa descoberta revelou veredas interpretativas surpreendentes que não se esgotaram na conclusão do relatório final da pesquisa, nem nas produções subseqüentes, em ensaios e artigos publicados pelo autor, além das participações em Congressos e Reuniões científicas regionais e nacionais (Corrêa; 2005; 2006; 2007; 2008). Como o foco da pesquisa de 2005, versava a Coleção de Magia Negra a obra e vida do poeta ficou sobre um plano subjacente, no trabalho que se tornou o ensaio final Museu Mefistofélico: o significado cultural da Coleção-Museu de Magia Negra, primeiro patrimônio etnográfico do Brasil (1938). No presente projeto pretendo dedicar toda a atenção para a personagem central que viveu as vicissitudes existenciais no processo de criação da Coleção de Magia Negra, seu tombamento e a criação do Museu da Polícia Civil do antigo Distrito Federal do Rio de Janeiro. Parece ser oportuno e importante para avançarmos na compreensão do significado cultural dessa heteróclita coleção museológica, que se volte a atenção histórica e científica para essa figura sui generis no contexto do modernismo carioca. Designamos de ‘o modernista marginal’ por razões que serão explicitadas na fundamentação teórica, mas, se pode adiantar que se trata de uma relação contraditória e idiossincrática que o poeta mantém com o grupo dos modernistas. As particularidades e características dessas relações pessoais e subjetivas constituir-se-ão no objeto privilegiado desta pesquisa.

Sem comentários: