09 outubro 2009

DIA DO PROFESSOR: Reflexões Intempestivas


Universidade, Escola, Faculdade: lugares de confinamento, adestramento, desencanto e engodo...

AS ORIGENS DO 'HORROR AO SABER' NA ATUALIDADE (I)

Nas últimas décadas tem aumentado nossa inquietação, instigando a reflexão mais atenta, acerca da função social e da responsabilidade cultural das instituições de ensino e de transmissão do conhecimento, em nossa sociedade. Afinal, qual é o papel civilizacional destas instituições que prometem produzir e difundir conhecimentos e saberes? Será que cumprem essa promessa ou tornaram-se, na verdade, lugares de confinamento e frustração para a juventude e os trabalhadores? Um contingente numeroso de pessoas e cidadãos passam 10 ou 20 anos confinada, entretidos nesses lugares que prometem sucesso profissional, eficiência, conhecimento, técnica... Mas com o passar dos anos sentem-se cada vez mais frustrados como 'clientes', pois a grande maioria não consegue emprego digno ou condições de viver com alguma tranquilidade... A imensa legião de desempregados hoje é constituída de jovens, como se sabe. E são nesses lugares designados como 'escolas, 'universidades', 'faculdades', que têm-se confinado esses 'estudantes' com um único objetivo: evitar que tornem-se delinquentes ou deflaguem a revolta contra esse estado de coisas. As técnicas de entretenimento, cinicamente aprimoradas por 'facilitadores' e 'multiplicadores' de todo tipo, nada mais são que performances entretendo com mirabolantes mágicas e fetiches, a atenção desses jovens e trabalhadores. Seus currículos estão repletos de diversos certificados com horas extras de 'conhecimento', adquiridos em Seminários, Congressos, Simpósios, Oficinas, Mini-cursos, etc., nos quais não há qualquer debate, crítica, pensamento; apenas o culto ao consenso e as obviedades... Com o tempo essa frustração se torna apatia, desinteresse, depressão, em outras palavras: fobia ao conhecimento! Os 'professores' que entram nas 'salas de aula' cobram e exigem ânimo, atenção, respeito, amor ao saber e ao conhecimento. Porém, não se dão conta que fazem parte de uma engrenagem enferrujada a qual esses 'estudantes' e 'jovens' já não aguentam mais frequentar e participar. É tanta desilusão, frustração e desolação que fica difícil imaginar um cenário novo e transformador! Os 'mestres' não querem mais ensinar: deprimidos e desiludidos, como se pode constatar nos ambulatórios de saúde mental no país. Os 'jovens' ficaram 'velhos' sob a ação do desencantamento do desejo de saber: conseguido com grande eficiência tecnocrática. Assim, está fechado o círculo vicioso! O cinismo que graça nessas instituições se baseia na fé de que não temos mais como transfomar essa realidade. Descrença, conformismo e indiferença se nutrem da idéia de que esse, enfim, é 'o melhor dos mundos possíveis'! Mantém-se assim um quadro patético de 'mestres' destituídos, 'estudantes' desiludidos, 'jovens' dopados e trabalhadores anestesiados. Essas 'instituições totais' do tipo Igreja, Forças Armadas e Escolas, não podem, na verdade, oferecer nada mais do que oferecem e difundem: despotismo, alienação e reprodução do ideário subjetivo dominante! Curiosamente, se esperou muito das Universidades e das Faculdades, nas últimas décadas! Essas 'Escolas' e 'Liceus' de algum modo 'encantaram' nosso imaginário com promessas de oferta 'democrática' de 'sabedoria', 'conhecimento', 'técnica', etc. Todavia, sob o véu sedutor do 'mito' do 'esclarecimento' e da 'iluminação', difundiu-se o vírus letal do cinismo e do engodo ideológico. Educadores, pedagogos, sociólogos e psicólogos da educação, tentam de todo jeito adaptar essas instituições para a 'modernidade', para a 'nova sociedade'. Até hoje esses 'profissionais' nada mais fizeram que tentar perpetuar instituições seculares, cada vez mais anacrônicas, servindo apenas para confinar e entreter a juventude e os trabalhadores, considerados potencialmente perigosos; caso estejam soltos na rua e sem alguma ilusão de 'futuro' pela frente... Talvez, um dia, possamos começar a lutar contra o 'horror ao conhecimento', compreendendo as origens dessa epidemia fóbica ao saber...

Sem comentários: