18 janeiro 2010

Rasga Coração em São Luís - Excelente Peça Teatral!


Peça de Oduvaldo Vianna Filho, escrita em 1972, vencedora do Concurso de Dramaturgia do Serviço Nacional de Teatro, em 1974, e proibida pelo governo federal. Tornada um dos símbolos da luta contra a censura, a encenação de José Renato ocorre cinco anos após, alinhando a obra ao teatro de resistência.
Circulando em forma mimeografada, a peça foi angariando adeptos nos anos em que esteve proibida. A ação se passa através de saltos narrativos entre presente e passado. No primeiro, assiste-se à história de Manguari Pistolão, um funcionário público que é militante do Partido Comunista, PC, e seus problemas com o filho Luca, um jovem rebelde interessado em macrobiótica e zen-budismo. No tempo do passado, a ação enfoca a vida do fiscal da Saúde Pública 666, pai de Manguari, a luta dos militantes do PC contra o Estado Novo e a ação integralista. As arruaças e canções de Lorde Bundinha, tio de Manguari, fazem as ligações entre os diferentes planos.
A encenação de José Renato utiliza uma complexa cenografia de Marcos Flaksman, disposta em vários planos, possibilitando imprimir ritmo e colorido à narração. Músicas de época, o uso de um linguajar cheio de gírias da década de 30, o desempenho harmonioso de um elenco afinado ajudam a compor os ingredientes para se criar um evento artístico e político. Cruzando a luta de classes com o conflito entre as gerações, o autor efetiva um amplo painel da sociedade brasileira, utilizando com eficiência técnicas de play-wrighting.
Vianinha resume seus propósitos, no prefácio ao texto: "Em primeiro lugar, Rasga Coração é uma homenagem ao lutador anônimo político, aos campeões das lutas populares: preito de gratidão à Velha Guarda, à geração que me antecedeu, que foi a que politizou em profundidade a consciência do país. (...) Em segundo lugar, quis fazer uma peça que estudasse as diferenças que existem entre o novo e o revolucionário. O revolucionário nem sempre é novo absolutamente e o novo nem sempre é revolucionário".1

Notas
1. VIANNA FILHO, Oduvaldo. Texto do autor no programa do espetáculo. Rio de Janeiro, 1979.
Fonte: Itaú Cultural

Sem comentários: