24 fevereiro 2010

PARANÓIA CRÍTICA de Salvador Dali

Paranóia Crítica


Entre 1930 e 1935 pintou os seus quadros mais célebres, destacando-se a obra 'Persistência da Memória'. Torna-se, então, a figura mais célebre do surrealismo, por sua arte e por suas extravagâncias pessoais. Como pintor, Dali defendia a representação realista estrita, a pintura como "uma fotografia à mão e em cores". Em compensação, ele se permitia todas as liberdades temáticas: a violência, o erotismo e a criação de um mundo onírico absoluto. Visões monstruosas e cruéis, metamorfoses, etc., tudo corresponde à sua teoria da "paranóia crítica" ou, como ele a definia, "método espontâneo de conhecimento irracional baseado na associação interpretativo-crítica dos fenômenos delirantes". Depois da 2ª Guerra Mundial, a pintura de Dali se academizou, passando a imitar o classicismo renascentista. O artista passou, então, a expandir suas atividades, criando modas, influenciando a publicidade, inventando móveis, jóias, vestidos, unhas postiças, sapatos musicais para amenizar as caminhadas durante a primavera, etc. Como artista e como homem, Dali foi uma figura controversa, aclamado por uns e negado por outros. Responsável pela revitalização do surrealismo, ele marcaria para sempre o imaginário mundial com seu extravagante bigode, cultivado sob a influência de um dos maiores mestres da pintura espanhola: Diego Velásquez.

Salvador Dali

* 11 de maio de 1904, Figueres (Catalunha, Espanha)
+ 23 de janeiro de 1989, Figueres (Catalunha, Espanha) Salvador Domingo

Felipe Jacinto Dalí i Domènech, marquês de Púbol, mais conhecido como Salvador Dalí, foi pintor, escultor, desenhista, escritor e cineasta catalão. Nasceu em Figueres, na região autônoma da Catalunha (território espanhol), perto de Barcelona, em 11 de maio de 1904, e faleceu no mesmo local, no dia 23 de janeiro de 1989. Aos cinco anos, Dalí foi levado pelos pais para visitar o túmulo de seu irmão, falecido três anos antes de ele nascer. Chegando ao local, os pais lhe disseram que ele era a reencarnação do irmão, fato no qual Dali acreditou durante muitos anos. Mais tarde, referindo-se ao irmão e à visita ao cemitério, ele diria: "Eu vivi a morte antes de viver a vida. Meu irmão morreu por causa de uma meningite, com a idade de sete anos [...]. Éramos semelhantes a duas gotas de água, mas com reflexos diferentes". Apesar do pai disciplinador e austero, Dalí foi apoiado pela mãe em sua carreira artística. Ele teria descoberto a pintura em 1916, durante uma viagem de férias à cidade litorânea de Cadaqués, com a família do pintor impressionista Ramón Pichot. Em 1922, vai estudar em Madrid, na Real Academia de Belas Artes, iniciando sua obra sob a influência da pintura metafísica de Giorgio de Chirico e Carlo Carra. Expulso da Academia em 1926, depois de afirmar que ninguém ali era competente para julgar o valor de seus trabalhos, transferiu-se para Paris, onde se ligou ao grupo dos surrealistas. Entre 1928 e 1931, participou de exposições, publicou livros e realizou dois filmes com Luis Buñuel: Um cão andaluz e A idade de ouro.
Fonte: Fundação Gala-Salvador Dali

Salvador Dali

É, sem dúvida, o mais conhecido dos artistas surrealistas. Estudou em Barcelona e depois em Madri, na Academia de San Fernando. Nessa época teve oportunidade de conhecer Lorca e Buñuel. Suas primeiras obras são influenciadas pelo cubismo de Gris e pela pintura metafísica de Giorgio De Chirico. Finalmente aderiu ao surrealismo, junto com seu amigo Luis Buñuel, cineasta. Em 1924 o pintor foi expulso da Academia e começou a se interessar pela psicanálise de Freud, de grande importância ao longo de toda a sua obra. Sua primeira viagem a Paris em 1927 foi fundamental para sua carreira. Fez amizade com Picasso e Breton e se entusiasmou com a obra de Tanguy e o maneirista Arcimboldo. O filme O Cão Andaluz, que fez com Buñuel, data de 1929.

O Conceito de Paranóia Crítica

Ele criou o conceito de “paranóia critica“ para referir-se à atitude de quem recusa a lógica que rege a vida comum das pessoas. Segundo ele, é preciso “contribuir para o total descrédito da realidade”. No final dos anos 30 foi várias vezes para a Itália a fim de estudar os grandes mestres. Instalou seu ateliê em Roma, embora continuasse viajando. Depois de conhecer em Londres Sigmund Freud, fez uma viagem para a América, onde publicou sua biografia A Vida Secreta de Salvador Dali (1942). Ao voltar, se estabeleceu definitivamente em Port Lligat com Gala, sua mulher, ex-mulher do poeta e amigo Paul Éluard. Desde 1970 até sua morte dedicou-se ao desenho e à construção de seu museu. Além da pintura ele desenvolveu esculturas e desenho de jóias e móveis.













Sem comentários: