09 abril 2011

Sociedade do Vazio e Violência

Uma sociedade que se lança cada vez mais no vazio, carece de mediações simbólicas que  sublimem a agressividade intrínseca e inerente; tal mediação necessária é o filtro que evitaria que a agressividade fosse levada ao ato, à encenação da violência 'pura', nua, irracional, bestial e bárbara... Equação: sociedade doente = violência letal...
Todavia, o discurso dominante tenta depositar no indivíduo a expiação da culpa, através da individuação do mal, na pessoa, na família, na genética, na esquizofrenia, na sociopatia, etc. Lamentável observarmos 'especialistas' e 'peritos', atribuírem ao particular, o que é expressão de uma totalidade doentia. A 'boa consciência' da sociedade se abala quando uma catástrofe, como a que ocorreu em Realengo/RJ, se escancara aos nossos olhos enubilados. É como se rasgasse um véu espesso, grosso, pesado... Porém, mesmo rasgado esse véu, e como o que se vê é duro, é cruel demais, as mentes fracas logo encontram um jeito de voltar a encobrir os olhos, e fechar-se para o óbvio, através de ideologias individualistas, egoísticas, em que o mal é depositado na conta da biologia (genética), nos distúrbios psiquiátricos, sociopáticos, esquizóides; no indivíduo ou na família doente. A Sociedade, não, essa não está doente! Aos olhos desses 'especialistas' e 'peritos' de plantão; tudo corre as mil maravilhas (só os estúpidos e imbecis não enxergam). 
É preciso ocultar e evitar escancarar evidências; 'verdades': é preciso encobrir o óbvio, as evidências... 
Sabe-se bem que não será a primeira nem a última notícia de catástrofes desse tipo; catástrofes do sentido se tornaram rotina no nosso admirável mundo novo: logo aparecem os 'experts' para recolocar no 'lugar' o sentido esvaído, destruído; encobrindo as pistas e os traços evidentes de deriva, de perda... 
Devemos nos alertar para os enganos de tais perspectivas individualizantes, pois deposita na conta da individuação aquilo que está no déficit da 'sociedade'. Como assim? Veja-se. Ao expiarmos a culpa no tal desajustado, já morto e enterrado, nos livramos de pensar como surgem tais 'patologias'; sua etiologia. Como se engendram tais processos de destruição e de morte? Pesquisas demonstram que tais indivíduos nunca agem sozinhos e sempre têm a 'cumplicidade' de próximos, que testemunham a orquestração e premeditação da ideia ao ato. De um modo geral, pessoas próximas (em torno de 95% dos casos analisados em diversas partes do mundo) reconhecem que esses indivíduos expressavam diversos sinais de violência e desorientação. Contudo, não se cogitava a possibilidade ou hipótese de que fossem levar a cabo algo 'tão monstruoso'! Bem, se o indivíduo dava sinais evidentes de descontrole e desorientação, e expressava e anunciava o 'desejo' de planejar e executar um plano de tal monta; o silêncio, o isolamento e tal cumplicidade do meio social envolvente, propiciaram o desenvolvimento de tais orquestrações... Nada indica que esses comportamentos são totalmente individualizados, eles têm alta dose de conivência e indiferença social e coletiva à sustentá-los. 
Uma sociedade cada vez mais carente de processos de mediação simbólica, se vê presa do esgarçamento dos laços sociais que ela mesma produz. O que testemunhamos hoje é produção do social, é produção coletiva, e não um ato de indivíduos isolados e 'doentes'. Sua 'doença' evolui e se manifesta, num ambiente doente, contaminado pela epidemia da violência sem sentido, anômica e bárbara. Não adianta tentar aplacar a 'boa consciência' da sociedade que se imagina equilibrada, justa, boa, em si mesma: enterrando e se livrando de um indivíduo doente e desajustado - tais indivíduos estão se reproduzindo e constituindo, agora mesmo, em outros endereços e províncias. Difunde-se a cumplicidade de uma sociedade perturbada, vazia e a deriva.
A esquizofrenia não está no indivíduo, no cérebro do assassino, do sociopata, do psicopata. O processo esquizóide atravessa nossa sociedade; o processo paranóide constitui nossa vida coletiva e a perversidade é o traço dominante. Mas tal perspectiva é por demais crítica, e abala a boa consciência dos que acreditam que a nossa sociedade, é a sociedade da paz, do amor, da felicidade, etc. Considera-se nossa sociedade, a melhor possível, a que mais oferece chances de felicidade, vida longa, tecnologias fantásticas, prazeres fáceis, etc. Os indivíduos doentes é que não reconhecem isso; e por morbidez e estupidez, atacam essa boa sociedade! Tal pensamento é curto, é conveniente e não toca os pontos críticos fundamentais. 
Assim, mais uma catástrofe aconteceu, e a boa consciência da sociedade, mesmo ferida e traumatizada, vai se recompondo, voltando a sua normalidade doentia. 
Uma postura mais crítica, esclarecida, pontual, terapêutica, e clínica desse mal, é solapada em nome da boa consciência que não pode ser desmascarada.
Por fim, quando não se processa um trabalho simbólico de mediação, o resultado, o produto disso, são atos dia-bólicos! Quando não somos atravessados pelo sim-bólico, decaímos no dia-bólico!
Paga-se um alto preço pelo auto-engano! 

Sem comentários: