14 dezembro 2011

CRISOL no 54 ICA 2012 - Viena



















54 CONGRESO INTERNACIONAL DE AMERICANISTAS
"CONSTRUINDO DIÁLOGOS NAS AMÉRICAS"
VIENA, ÁUSTRIA, JULHO 15-20, 2012

510 - Las comunidades y las culturas afrolatinoamericanas en el siglo XXI

Coordinador: Lisocka-Jaegermann, Bogumila Universidad de Varsovia Varsovia, Poland/Polen.
Co-Coordinador: Oliveira Cavalcanti Barros, Luitgarde (UERJ) Brasil.

FIXAÇÃO IDENTITÁRIA E EXCESSOS DA PATRIMONIALIZAÇÃO: reflexão sobre os riscos para a criatividade e o imaginário artístico e cultural contemporâneo no espaço social do folclore, cultura popular e tradição afro-ameríndia.
Autor: Alexandre F. Corrêa (PGCult/UFMA)

Trata-se de uma reflexão sobre os riscos para a criatividade e o imaginário artístico e cultural contemporâneo, da fixação identitária no espaço social do folclore, cultura popular e tradição afro-ameríndia. A Constituição do Brasil (1988) incorpora a ‘cidadania cultural’ aos direitos civis. Os direitos culturais passam a ser invocados por diversos grupos sociais que a partir de sua consagração jurídica, os incluem com mais força na pauta de suas reivindicações políticas. Depois de um período de refluxo nas políticas de preservação do patrimônio cultural, em 2001 inaugura-se uma nova fase com o Decreto-Lei 3.551; instituindo o programa nacional de registro do patrimônio imaterial. Com a intensificação dos fluxos de globalização, observamos os movimentos sociais buscarem nos instrumentos legais e institucionais de patrimonialização, meios de salvaguarda de possíveis perdas identitárias e territoriais. Nesse cenário testemunhamos uma crescente demanda pela institucionalização do processo de gestão do teatro das memórias sociais, sem, todavia, ocorrer uma democratização efetiva do espaço social da memória e do patrimônio. Constatamos que se mantém o predomínio de grupos oligárquicos e conservadores tradicionalistas e folcloristas. Observa-se também uma fixação obsessiva e recalcitrante em conceitos e noções do século XIX, configurando um sistema de referência identitária anacrônica e paradoxal. Considerando estes aspectos, perguntamos: quais os riscos dos excessos da gestão do patrimônio cultural e da memória social sobre a arte e o imaginário artístico? Como garantir espaço para a liberdade e a criatividade da arte, num campo/espaço social cada vez mais dominado por conceitos e noções antiquados e acríticos? Parece que uma resposta política contundente a esse quadro resistente a mudanças, seja a promoção de políticas de ação cultural que invoquem a riqueza das heranças culturais e simbólicas; na direção de uma polifonia cultural efetiva e não retórica: seja ameríndia, latina, africana ou caribenha.


* * *




Dezembro 7, 2011.


Prezado/a Senhor/a COSTA, ADRIANA CAJADO,

Temos o prazer de informar que a sua proposta de palestra para o 54 ICA, intitulada 

"QUESTÕES PSICOCULTURAIS DA AFRODESCENDÊNCIA: UM ESTUDO DE CASO" para 

Simposio: 510 - Las comunidades y las culturas afrolatinoamericanas en el siglo XXI

foi aceita pelos coordenadores do seu simpósio. Como Comissão Organizadora, 


estamos ansiosos para lhe dar as boas-vindas como participante no que será, 

segundo esperamos, um estimulante e fecundo evento académico e espaço de 
interação intelectual. 

O programa preliminar com a tabela horária de cada simpósio estará disponível na 
nossa web em janeiro de 2012, mas nós queremos confirmar a aceitação da sua 
palestra desde já, para você poder começar a fazer os preparativos de viagem para
a sua vinda a Viena.

Se ainda não o fez, gostaríamos de encorajar você para fazer a inscrição no Congresso
desde já. Os valores reduzidos da inscrição antecipada são válidos até o 12 de março
de 2012, mas por razões organizativas nós apreciaríamos se você puder completar sua
inscrição o antes possível. Por favor, lembre que todos os participantes aceites têm de
fazer a inscrição antes do 31 de março de 2012; em caso contrario, eles serão retirados
do programa. À medida que a data final para a inscrição se aproxima, nos enviaremos
para você um lembrete.

A partir desde momento, todos os coordenadores receberão os endereços de correio
eletrônico dos participantes aceites no seu simpósio. Os coordenadores vão contatar
você para informar dos detalhes relativos ao  programa do simpósio e a outros assuntos
de importância.

Mais uma vez, aguardamos com ansiedade a sua participação no 54 ICA e ficaríamos
felizes por lhe dar as boas-vindas em Viena em Julho de 2012!

Com os melhores cumprimentos, 

A Comissão Organizadora do 54 ICA

Web: http://ica2012.univie.ac.at

Resumo Aprovado:




ADRIANA CAJADO COSTA

Psicanalista. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da UERJ

TÍTULO: QUESTÕES PSICOCULTURAIS DA AFRODESCENDÊNCIA: UM ESTUDO DE CASO.
Propomos discutir, a partir de um estudo de caso clínico, pautado na escuta psicanalítica orientada por Freud e Lacan, como os significantes ligados a herança cultural afrodescentente marcaram a construção da identidade de um sujeito, seu sentimento de pertencimento e filiação. O discurso do sujeito sobre o não reconhecimento paterno repetia em sua fantasia os significantes culturais e históricos das marcas de uma representação negativa do negro, o racismo. O trabalho analítico percorreu, assim, um caminho árduo para recompor para este sujeito o reconhecimento da positividade de sua herança. 
PALAVRAS-CHAVE: Afrodescendente. Racismo. Reconhecimento.  



* * * 
54 CONGRESO INTERNACIONAL DE AMERICANISTAS
"CONSTRUINDO DIÁLOGOS NAS AMÉRICAS"
VIENA, ÁUSTRIA, JULHO 15-20, 2012
Bem-vindos ao site do 54 Congresso Internacional de Americanistas (ICA), que terá lugar em Viena, Áustria, em Julho do 2012, sob o lema Construindo diálogos nas Américas. Até a abertura do Congresso, o nosso site vai ser atualizado regularmente com avisos de importância e outras notícias relevantes. Através desta página web todas as pessoas interessadas poderão submeter propostas de simpósios e de palestras, fazer a inscrição ou procurar informações úteis sobre o evento. 

Esperamos com prazer sua visita para o nosso site e muito especialmente a sua participação no 54 Congresso do ICA em Viena. 


510 - Las comunidades y las culturas afrolatinoamericanas en el siglo XXI

Coordinador: Lisocka-Jaegermann Bogumila Universidad de Varsovia Varsovia Poland / Polen
Co-Coordinador:
 Oliveira Cavalcanti Barros, Luitgarde (Universidade do Estado do Rio de Janeiro ¿ UERJ ¿ Brasil, Laranjeiras ¿ Rio de Janeiro, Brazil / Brasilien)

A finales de los años noventa del siglo pasado el Banco Mundial y el FMI recomendaron a los gobiernos de América Latina la implementación de políticas focales del desarrollo social. A partir de entonces , en diferentes países del continente se están aplicando políticas relacionadas a cuestiones de g é nero, protección de minorías, dirigidas en contra de la discriminación sexual y racial. En los años noventa tuvo lugar también un despertar de los movimientos de la población afrodescendiente, que reivindica su papel en las sociedades nacionales y a la vez intenta definir identidades afrolatinas, rescatando las ancestralidades africanas, lo que lleva a la proliferación de reafirmaciones de tradiciones culturales por parte de los afrodescendientes. En correspondencia con los movimientos sociales, surgen corrientes teóricas que procuran reescribir la historia de la esclavitud y de las poblaciones africanas y sus descendientes en el Nuevo Mundo. Los estudios afrolatinoamericanos pasan por la etapa del intenso desarrollo. Aparte de los estudios dedicados a la población afrodescendiente en los contextos regionales tradicionalmente reconocidos, tal como es el caso de Brasil y Cuba, aparecen cada vez más publicaciones dedicadas a Afrocolombia, Afrovenezuela, Afroecuador, Afroméxico o Afroperú – es decir comunidades de ascendencia esclavista africana menos conocidas y estudiadas. La proliferación de estudios empíricos de caso va aunada al surgimiento de enfoques nuevos, relacionados por un lado a las corrientes intelectuales no-tradicionales (p.ej. la perspectiva poscolonial) y por el otro, con las transformaciones de contextos nacionales e internacionales en los que funcionan las comunidades afrolatinas el día de hoy. El simposio tiene como fin juntar a los investigadores de las realidades y discursos afrolatinoamericanos del siglo XXI y ofrecer un espacio de reflexión tanto acerca de los procesos sociales, culturales y políticos en curso como acerca de las nuevas perspectivas académicas desde las cuales se estudian. Temario : 1. Los avances en los estudios afrolatinoamericanos, y en especial –propuestas teóricas y metodológicas nuevas, como las inspiradas en los estudios poscoloniales. 2. El lugar, las historias locales, el medioambiente y el saber local en la construcción de identidades y agendas de acción.3. Comunidades afrolatinoamericanas frente a la discusión alrededor de ciudadanías alternativas y el discurso de multiculturalismo. 4. Movimientos y organizaciones afrolatinoamericanas en los contextos políticos y legales nuevos ¿Fortalecimiento o fragmentación? (Entre sitios web y los campos de acción). 5. Las comunidades latinoamericanas y las visiones del ‘desarrollo’ 6. El patrimonio cultural y las identidades afrolatinas en el siglo XXI. ¿Existe la ‘afrolatinidad? 6. Las dimensiones de género y generación en el contexto de identidades afrolatinas 7. Los estudios afrolatinoamericanos y el activismo afrolatino – análisis de relaciones

palabras claves:
 Movimiento negro, Afro-descendientes Patrimonialización afro-cultural, Racismo Afrolatinoamericanos

Sem comentários: