08 dezembro 2011

O Barraco Teimoso de D. Angela na Praia de São Marcos

Há trinta anos a cozinheira conhecida por D. Angela, mora num único Barraco, de frente para a Praia de São Marcos, em São Luís/MA. Ao passarmos pelo local, não deixamos de vislumbrar o contraste eloquente, estampado na paisagem praiana: uma favela teimosa de um barraco só! Torres de apartamentos valendo milhões de reais completam a moldura com as Dunas e o Barraco em destaque, compondo o cenário curioso e contrastante.
Casebre na Praia de São Marcos - São Luís/MA


Na moderna Avenida Litorânea, cortando toda a faixa litoral, percorrendo os bairros do Farol de São Marcos e do Calhau, nesta parte da Ilha, segue o contorno das Dunas preservadas (ou melhor, largadas) em que é proibido construir qualquer imóvel. O Barraco teimoso mantém-se por força do uso-capião de mais de três décadas, ocupada pela família da cozinheira D. Angela. Ela pode continuar residindo ali com a condição de manter intacto o casebre, até a sua morte; sem qualquer melhoria, ou qualquer benfeitoria no local...
Barroco de D. Angela - Cozinheira

Em frente ao Barraco teimoso desfilam automóveis, disputando estacionamento nos fins de semana, no meio-fio de sua calçada... Cena curiosa numa cidade brasileira de imensos contrates! Essa é uma história interessante, sem dúvida; revelando aspectos pitorescos de um processo de urbanização recente e conturbado.
Barraco de frente para a Praia de São Marcos

Na residência simples e rústica - como deve se manter - habita uma família com membros de várias gerações. Não sabemos se dormem no local, ou quanto tempo mantém-se no Barraco. Percebe-se ainda que diversos usos parecem movimentar o espaço. No tempo que podemos observar, boleiros que jogavam na areia da praia, com o fim da partida e a subida da maré, vinham guardar os travessões dos gols, atrás do Barraco teimoso. 
Torres de Milhões de Reais, atrás do Barraco

Quem passa apressado pelo local, não se dá conta dessa inusitada história de "resistência" de um indivíduo, ou grupo familiar, contra as "leis" do espaço público estabelecidas pelos tecnocratas e legisladores. Uma "resistência" idiossincrática, teimosa, curiosa, solitária... Pois, não parece ter repercussões sociais mais abrangentes; trata-se de um único barraco, em mais de três quilômetros de litoral. Só a casa de sucos que fica muito mais a frente na avenida, pode ser comparada a essa ocupação resistente. No caso da D. Angela, os usuários da praia têm uma relação de reciprocidade, em que se trocam benefícios e oportunidades eventuais de uso e compartilhamento do local. Na casa de sucos, percebemos o uso compartilhado por jovens e pessoas de origem social bem mais abastada; em que se joga vôlei, toma sucos, contempla-se o crepúsculo, namora-se, etc... 

Vista da Praia, em frente ao Barraco de D. Angela


A praia se destaca na paisagem; triunfa na sua exuberância plástica! Que vista privilegiada! Quem poderia crer em algo assim - a única moradora da Praia de São Marcos! Remanescente dos tempos em que não havia pista, nem avenida, nem rua, nem turistas, nem boleiros, nem banhistas - só pescadores e barqueiros! Dunas e mais dunas de areia, com vegetação rasteira, que em todo verão queima em labaredas altas, dias e dias seguidos!

Pôs-do-Sol na Praia de São Marcos


O pôr-do-sol triunfa no horizonte. D. Angela mantém-se firme na sua residência a beira mar! Não aceitou ser deslocada e enviada para bairros distantes, em terrenos em que não poderia viver sua vida de filha, neta e bisneta de pescadores caiçaras do litoral da Ilha do Maranhão!

Praia de São Marcos - São Luís/MA

Sem comentários: